Terça-feira, 8 de Abril de 2008

TEMAS/PROBLEMAS DO MUNDO CONTEMPORÂNEO: Manipulação e Meios de Comunicação de Massas

  1. A manipulação pelos mass media Tento sempre aperceber-me das intenções das pessoas que me rodeiam e me tentam convencer de alguma coisa. Fico sempre de pé atrás: Ninguém oferece nada a ninguém… O marketing é uma ferramenta do diabo. A manipulação pelos mass média baseia-se na estratégia central de reduzir o mais possível a liberdade de acção do público, obliterando a sua capacidade crítica de discutir ou de resistir ao que lhe é proposto. As estratégias usadas são objecto de muita investigação e planeadas ao pormenor para afectar emocional e cognitivamente as relações que os indivíduos estabelecem entre si e com os objectos que os rodeiam. De um lado encontramos aqueles que querem convencer ou explorar, do outro o público que por vezes não tem consciência que de está a ser manipulado. A manipulação dos afectos Segundo Philippe Breton, a manipulação dos afectos faz-se com o recurso aos sentimentos ou através do efeito de fusão. No primeiro caso, a técnica é criar a ilusão de que o emissor da mensagem está na própria mensagem ou é nela representado “aceita-se facilmente que se o homem é sedutor, o que ele diz é convincente”. Ainda segundo o mesmo autor, a manipulação dos afectos é realizada através de várias estratégias - a sedução demagógica, a sedução pelo estilo, manipular pela clareza, a esteticização da mensagem, o medo e a autoridade, a manipulação das crianças e o amálgama afectivo: A sedução demagógica – Esta técnica é utilizada amiúde na política, sendo que o “protótipo do sedutor é o demagogo”, ao dirigir-se a “vários auditórios particulares, fará crer a cada um que pensa como ele”. Este sedutor “não afirma a sua própria opinião, infiltra-se na opinião alheia” A sedução pelo estilo – Neste caso, “a manipulação começa quando o bem falar substitui o argumento em si (…)”. Manipular pela clareza – A clareza anda a par com a brevidade da mensagem, a qual convence pela sua simplicidade e pela ausência de esforço em aceitá-la. A esteticização da mensagem – Assiste-se à esteticização da mensagem. Um exemplo é a propaganda Nazi, que se baseava numa esteticização das massas, que acabavam por fazer parte da própria mensagem (Breton, 2001). O medo e a autoridade – Recorre-se ao medo, por vezes disfarçado sob a forma de autoridade, para fazer aceitar a todo custo uma opinião ou provocar um comportamento, sem discussão (Breton, 2001). O amálgama afectivo – Este mecanismo “consiste em ir procurar no espírito do auditório (…) um elemento pré-existente simpático, agradável, desejável e até apetecível (…) ou causador de espanto e de medo, e colar de seguida esse elemento à mensagem, que fica assim aumentada”. Esta técnica é usada na publicidade, aumentando a mensagem em relação à sua dimensão informativa. Outra categoria de técnicas manipulatórias, incluídas na manipulação dos afectos é o que se chama o efeito de fusão, com ele pretende-se a aniquilação de toda e qualquer referência no processo de comunicação. Consideram-se as seguintes técnicas, segundo Breton (2001): A repetição – “Esta técnica cria a impressão de que o que foi dito e repetido, já foi argumentado em algum momento anterior”. A repetição é útil na formação de reflexos condicionados, preciosos tanto na publicidade como na propaganda política. A hipnose e a sincronização – É uma técnica mais metódica cujo fito é convencer e fazer mudar comportamentos, através da forma como a mensagem é transmitida e não tanto pelo seu conteúdo. Por exemplo, o manipulador sincroniza a respiração com a pessoa a manipular, pode também proceder à imitação do tom e da entoação da voz, dos gestos corporais e, por fim, num nível superior de comunicação, o seu vocabulário e os seus conceitos. Esta empatia criada leva à manipulação, desde que a pessoa manipulada não se aperceba das técnicas usadas (Breton, 2001). O papel do tacto – Há estudos que comprovam que quando um vendedor toca o possível comprador, este tem mais probabilidades de efectuar a respectiva compra. Assim, é interessante reflectir “sobre se a multiplicação dos estímulos sexuais na publicidade e na comunicação não funcionam como uma dimensão alargada do tacto (…) podemos ser “tocados” por essas imagens e experimentar, por esse facto, sem saber porquê, uma grande simpatia pelo produto a que elas estão associadas”.

    Breton, Philippe, A palavra manipulada, Lisboa, Ed. Caminho, 2001

     

publicado por Luís M. M. Duarte às 15:54
link do post | comentar | favorito
|

Luís M. M. Duarte (Coordenação)

pesquisar

 

Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
29
30

posts recentes

Os "Sexalescentes" do Séc...

O fenómeno atual multimod...

A REDEFINIÇÃO (DA NOÇÃO) ...

V Comemoração do Dia Mund...

V Comemoração do Dia Mund...

O que é a Filosofia? - Um...

IV Comemoração do Dia Mun...

Comemoração do 25 de Abri...

Os Valores

II, A Racionalidade práti...

arquivos

Abril 2017

Maio 2015

Abril 2012

Novembro 2011

Novembro 2010

Abril 2010

Março 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

links

blogs SAPO

subscrever feeds