Quarta-feira, 8 de Outubro de 2008

Ficha Formativa de Filosofia - 10.º Ano, II Parte

 A Argumentação
 
21. O principal objectivo da argumentação é:
 

 
A.     convencer os outros de que temos razão;
B.      justificar racionalmente a verdade ou falsidade de uma afirmação;
C.      justificar que somos melhores que o nosso oponente;
D.     convencer o nosso oponente de que ele está errado.
 

 
22. Justificar racionalmente uma afirmação significa:
 

 
A.     dar a volta ao nosso oponente com um discurso bonito e cheio de palavras caras;
B.      apresentar factos que provem o que dizemos;
C.      apresentar razões em que podemos basear-nos para chegar à conclusão de que o que afirmamos é verdade;
D.     repetir o nosso ponto de vista as vezes necessárias para o nosso opositor se cansar e desistir.
 

 
23. Os argumentos:
 

 
A.     são raciocínios porque as razões apresentadas permitem-nos chegar à conclusão que queremos justificar;
B.      não são raciocínios porque nem sempre as razões que apresentamos são correctas ou verdadeiras;
C.      são raciocínios porque argumentar dá-nos a prova de que o que afirmamos não pode ser falso;
D.     não são raciocínios porque a verdade vem dos factos e não do nosso modo de pensar.
 

 
24. Os elementos de um argumento são:
 

 
A.     premissas e razões;
B.      frases e afirmações;
C.      conclusão e afirmações;
D.     premissas e conclusão.
 

 
 25. As premissas dão-nos:
 

 
A.     a conclusão do argumento;
B.      as razões que apoiam a conclusão do argumento;
C.      todas as anteriores;
D.     nenhuma das anteriores.
 

 
26. A conclusão é:
 

 
A.     a razão em que o argumento se baseia;
B.      a afirmação que o argumento pretende justificar;
C.      todas as anteriores;
D.     nenhuma das anteriores.
 

 
27. Um argumento pode ter:
 

 
A.     duas ou três premissas e uma conclusão;
B.      duas conclusões e uma premissa;
C.      várias premissas e várias conclusões;
D.     várias premissas e uma conclusão.
 

 
28. Um argumento:
 

 
A.     pode ter várias premissas porque podemos ter várias razões para afirmar a conclusão;
B.      não pode ter mais que duas ou três premissas porque menos é melhor que mais;
C.      pode ter várias conclusões porque pessoas diferentes podem tirar várias conclusões com base nas mesmas premissas;
D.     não pode ter mais que duas ou três premissas porque em filosofia é assim.
 

 
29. Num bom argumento:
 

 
A.     as premissas não conseguem justificar a conclusão por não serem todas verdadeiras;
B.      as premissas deverão ser todas verdadeiras;
C.      há uma maioria de razões verdadeiras, embora nem todas tenham de o ser;
D.     as premissas falsas também justificam a conclusão. 
 

 
30. Num mau argumento:
 

 
A.     algumas das premissas são falsas e, por isso, não servem de justificação à conclusão;
B.      todas as premissas têm de ser falsas;
C.      a maioria das premissas tem de ser falsa;
D.     ter premissas falsas não é uma razão para rejeitar um argumento.
 

 
31. Um argumento é válido quando:
 

 
A.     as suas premissas são verdadeiras;
B.      as suas premissas são falsas;
C.      a conclusão não pode ser falsa se as premissas forem verdadeiras;
D.     a conclusão não pode ser falsa.
 

 
 32. Um argumento válido:
 

 
A.     não pode ter premissas falsas;
B.      tem de ter premissas maioritariamente verdadeiras;
C.      não pode ter premissas verdadeiras;
D.     pode ter premissas falsas.
 

 
33. Num argumento que se sabe ser válido, se discordarmos da conclusão temos de:
 

 
A.     esquecer o argumento e manter a nossa opinião;
B.      mostrar que pelo menos uma das razões propostas em defesa da conclusão é falsa;
C.      mostrar que todas as premissas são falsas;
D.     pretender teimosamente que o argumento é inválido.
 

 
34. Um argumento inválido não é um bom argumento porque:
 

 
A.     mesmo que todas as premissas sejam verdadeiras, a conclusão continua a poder ser falsa;
B.      nem todas as premissas são verdadeiras;
C.      ainda que algumas das premissas sejam verdadeiras, a conclusão pode ser falsa;
D.     nem todas as premissas são falsas.
 

 
35. A validade é uma característica que:
 

 
A.     se aplica a afirmações e a argumentos;
B.      só se aplica a argumentos;
C.      só se aplica a afirmações correctas;
D.     todas as anteriores.
 

 
36. A validade é uma característica que se refere:
 

 
A.     à relação de consequência lógica entre premissas e conclusão num argumento;
B.      à relação entre um argumento e a realidade;
C.      à relação entre uma afirmação e a realidade;
D.     à relação entre as regras de um jogo e certas jogadas particulares.
 

 
37. A verdade é uma característica:
 

 
A.     dos argumentos;
B.      das premissas dos argumentos;
C.      das afirmações;
D.     todas as anteriores.
 

 
38. A verdade é uma característica que se refere:
 

 
A.     à relação entre premissas e conclusão;
B.      à relação entre um argumento e a realidade;
C.      à relação de consequência lógica entre afirmações;
D.     à relação entre uma afirmação e a realidade.
 

 
 
 
 
39. Um argumento é sólido quando:
 

 
A.     tem premissas verdadeiras;
B.      é válido e tem todas as premissas verdadeiras;
C.      é válido e tem uma maioria de premissas verdadeiras;
D.     tem conclusão verdadeira.
 

 
40. A argumentação é importante em filosofia porque:
 

 
A.     sem argumentos não há razões para aceitar uma solução que os filósofos proponham para um problema filosófico em vez de outra solução qualquer, por muito diferente que seja da primeira;
B.      sem argumentos, as teorias dos filósofos não podem ser consideradas verdadeiras ou falsas;
C.      nenhuma das anteriores;
D.     todas as anteriores.
 

 
 
(10.ºH, 10.ºI e 10.ºJ)

Paulo Ruas, Escola Secundária da Ribeira Grande
(Ano lectivo 2008-09)
publicado por Luís M. M. Duarte às 17:04
link do post | comentar | favorito
|

Luís M. M. Duarte (Coordenação)

pesquisar

 

Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
29
30

posts recentes

Os "Sexalescentes" do Séc...

O fenómeno atual multimod...

A REDEFINIÇÃO (DA NOÇÃO) ...

V Comemoração do Dia Mund...

V Comemoração do Dia Mund...

O que é a Filosofia? - Um...

IV Comemoração do Dia Mun...

Comemoração do 25 de Abri...

Os Valores

II, A Racionalidade práti...

arquivos

Abril 2017

Maio 2015

Abril 2012

Novembro 2011

Novembro 2010

Abril 2010

Março 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

links

blogs SAPO

subscrever feeds