Quinta-feira, 11 de Outubro de 2007

Temas/Problemas do Mundo Contemporâneo: A Ecologia

         Parece que de um momento para o outro todos se lembraram que têm de "ajudar" o meio ambiente, reciclar, não poluir, etc.
Muitas pessoas passaram a ter ecopontos em casa para poderem dizer: "Sou ecologista!". Mas será que são mesmo, só porque têm uma caixa pequena com três divisões na qual separam diariamente o seu lixo? Eu, sinceramente, acho que isto é apenas o princípio para se ser ecologista, um pequeno ponto. Então e todos os anos passados com o lixo todo misturado no mesmo saco e atirado, muitas vezes, para a ribeira, mar, terrenos, etc.? Ah, disso já não se lembram! Ou não se querem lembrar! São ecologistas? Muito bem, então os seus filhos vão para a escola de transportes públicos, ou mesmo a pé; quando está na rua e quer deitar algo fora, mete SEMPRE no caixote do lixo; as suas lindas plantas do quintal só têm adubos naturais; em casa, não tem duas ou três televisões acesas ao mesmo tempo, ou, mesmo, várias luzes ligadas sem serem precisas, etc., etc. Nunca?
Se aqueles que se dizem por ecologistas cumprissem com todas estas afirmações, e outras mais, então aí, receberiam os meus parabéns. Mas quantos cumprem com tudo isto à risca? Muito poucos! As pessoas fazem reciclagem, porque ficaram com medo. Viram na televisão e nos jornais que o mundo estava em perigo e por isso começaram a reciclar, pensando que os problemas ambientais do nosso planeta iriam acabar. É pena que estejam enganados! Eu faço reciclagem em casa, quanto às outras afirmações, limito-me a dizer que não sou ecologista, embora gostasse de o ser. Uma e grande razão para não haverem muitos ecologistas, ou, verdadeiros ecologistas, é o facto de estarmos tão dependentes das coisas materiais, que nos impedem de termos maior contacto com a natureza, e acabam até por a "estragar".
A solução possível para aumentar a responsabilidade ecológica nas pessoas está na educação. Se todos ensinassem a pouco e pouco aos seus filhos pequenos a responsabilidade ecológica, estes de certeza que iriam ser melhores que os pais, a este nível, e por aí adiante.
Filipa Lima (10ºA), Escola Secundária de Ribeira Grande
publicado por Luís M. M. Duarte às 09:44
link do post | comentar | favorito
|
3 comentários:
De L.Falé a 12 de Outubro de 2007 às 18:48
Concordo contigo quando dizes que o problema está na educação. Mas será que está na educação dos filhos? Não. O problema está na educação que os nossos avós não deram aos nossos pais. Dizes que, se os pais ensinassem aos filhos pequenos a responsabilidade ecológica, de certeza que iriam ser melhores pais. Mas então, se os próprios pais não sabem o que é ser ecologista, como vão os filhos saber?
Será mais fácil que os filhos aprendam primeiro o que é a ecologia e o que é ser ecológico para depois serem eles a ensinar aos pais o que (os pais) não sabem. Mas, para isto se concretizar, é necessário que os ''meninos'' queiram aprender. E eles, pura e simplesmente, não querem.
De LMMDUARTE@sapo.pt a 15 de Outubro de 2007 às 13:11
Sem dúvida, reitero as tuas palavras: é claro que “será mais fácil que os filhos aprendam primeiro o que é a ecologia e o que é ser ecológico para depois serem eles a ensinar aos pais o que (os pais) não sabem. Mas, para isto se concretizar, é necessário que os ''meninos'' queiram aprender. E eles, pura e simplesmente, não querem”.
Se ficarmos apenas por aqui, porém, cai-se num perigo ético e num erro lógico, respectivamente, num beco sem saída e num círculo vicioso.
Os filhos e, em geral, os jovens devem ser responsáveis e – porque alguns têm maior informação e conhecimentos do que alguns pais – dar o exemplo, contribuindo para um cabal esclarecimento dos próprios pais, contudo os próprios pais têm obrigação de serem responsáveis com os problemas ecológicos e com todos os demais problemas, numa palavra, com a sua acção. De contrário, legitimar-se-ia a irresponsabilidade de tudo e de todos, porquanto se poderia alegar que os pais não lhe incutiram educação e/ou responsabilidade. Se o desconhecimento da Lei não torna inimputável o prevaricador, Dura Lex, Sed Lex, também a falta de educação não torna impune nem justifica a irresponsabilidade e libertinagem, embora possa ser atenuante e compreensível…
Compete-nos a todos nós sermos responsáveis pelos problemas de todos, como é o caso dos problemas ecológicos: tentarmos preservar a Natureza e todos os indivíduos que a ela pertencem, na razão directa de nos auto-preservarmos. Destruí-la implica, directa e/ou indirectamente, imediata ou mediatamente, a nos autodestruirmos, dado sermos Natureza e não somente os seus senhores. Somos responsáveis pelo nosso Destino e por todos aqueles que dependem da nossa liberdade e acção.
De Filipa Lima- 10ºA a 17 de Outubro de 2007 às 21:42
Concordo com o que disseram, mas não nos podemos esquecer que os filhos de hoje são os pais de amanhã, daí que os filhos da actual geração, por exemplo, tenham de aprender sem grande ajuda dos pais, tendo em conta que esses também não sabem muito, mas os filhos da geração a seguir já poderão e deverão contar com a ajuda dos pais para os sensibilizar para a responsabilidade ecológica.

Comentar post

Luís M. M. Duarte (Coordenação)

pesquisar

 

Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
29
30

posts recentes

Os "Sexalescentes" do Séc...

O fenómeno atual multimod...

A REDEFINIÇÃO (DA NOÇÃO) ...

V Comemoração do Dia Mund...

V Comemoração do Dia Mund...

O que é a Filosofia? - Um...

IV Comemoração do Dia Mun...

Comemoração do 25 de Abri...

Os Valores

II, A Racionalidade práti...

arquivos

Abril 2017

Maio 2015

Abril 2012

Novembro 2011

Novembro 2010

Abril 2010

Março 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

links

blogs SAPO

subscrever feeds